terça-feira, 17 de janeiro de 2017

O CASAL





Na roseira vem cantar
Sai alegre do seu ninho
O casal de passarinho...

Voa, voa alegre passarinho,
Encanta as flores desse jardim
Depois volta feliz para mim
Levar-te-ei ao teu ninho...

Onde teu filhote os espera
Com asinhas querendo voar
Para logo aprender a voar...

Irá Rodrigues

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

JUCA E OS SAPATOS


Era último dia de aula como era de costume todos os anos acontecia à festinha de Natal onde os comerciantes da cidadezinha contribuíam com presentinhos para as crianças do vilarejo. Mas cada pessoa escolhia uma criança para receber o presente das mãos do Papai Noel.
Juca era seu primeiro ano na escola e como nunca havia ganhado presentes ao ouvir seu nome e o Papai Noel segurando um embrulho o menino arregalou os olhinhos olhou para todos sem entender, pois... não seria ele o menino que estava sendo chamado, mas era ele mesmo a professora olhou e disse:
-Vamos Juca é você mesmo levante e vá receber seu presente.
- O menino correu com seu corpinho franzino abraçou o seu presente todo embrulhado em papel vermelho com laçarote azul. Nem ficou mais na festinha saiu em disparada em direção a sua casa, ele descia a estradinha de terra correndo como um raio parecia ter medo que tomassem seu presente de volta.
Ofegante entrou na casa gritando: Mãe! Irmãos, pai olhe eu vi Papai Noel ele chamou meu nome e me deu esse presente. Olhem! Vejam!
Todos correram para a porta sentaram no batente e juntos abriram a caixa. Os olhos do menino brilharam como se fossem vaga-lumes saltitando do seu rostinho inocente. Ali dentro tinha um mais valioso dos presentes que o menino sonhava em um dia ganhar mesmo que fosse velhinho. Era um par de sapatos sapato preto com cadarços. Pensou: será que meu pé vai gostar de ficar aqui dentro sufocado?
Mas a alegria era tanta que não tinha tempo para falar nada apenas enfiando seu pé magrinho dentro do sapato pela primeira vez. Com seus pés calçados com sapatos novinhos e macios Juca corria parecia flutuar enquanto a família ria de ver a alegria e o contentamento do pequeno menino. Os pais por serem muito pobres sabiam que nunca teriam dinheiro para dar um par de sapatos novos ao filho Juca só tinha velhas alpercatas que recebiam em caridades na igrejinha.
O menino não tirava o sapato do pé, a mãe dizia: Juca assim vai gastar tanto que na noite de Natal ele vai está velho e furado de tanto ficar andando por ai. Mas Juca nem ligava estava muito feliz em ver seus pezinhos calçados, o cheiro de coro novinho já não existia, todas as noites quando ia se deitar retirava os sapatos limpava com um pano limpo e enrolava como se o sapato fosse sentir frio.



Autoria- Irá Rodrigues

O VOO DA IMENSIDÃO




A imagem pode conter: pássaro









Trazendo um passarinho
Chega Juca todo afobado
Ele era um filhotinho
Retirado do seu ninho...


Piando nas mãos do menino
Batia as asinhas querendo voar
Contente o menino grita:
Olhem que lindo passarinho!

O filhotinho piava assombrado
Quando o pai chega ralhando
Solte esse pobre passarinho
Corra vá colocar em seu ninho...


Juca encheu os olhos de lágrimas
Filho esse lindo passarinho
Precisa da sua mãe ou ele irá morrer
Se não receber seu carinho...


Juca entendeu e correndo foi levar
E no galho da árvore abre as mãos
O passarinho abre as asinhas
E voa na imensidão...



Autoria- Irá Rodrigues

ERA UMA VEZ UM GATO

A imagem pode conter: gato e texto

A FAMÍLIA DE GAMBÁ

Nenhum texto alternativo automático disponível.

A RAPOSA FINGIDA

A imagem pode conter: texto

ANINHA...





















GRILO ATRAPALHADO





 Nenhum texto alternativo automático disponível.








Pula daqui canta dali
Atrapalhando o gato
Que dormia no quarto...


E foi àquela confusão
O gato ficou irado
O que achou destruiu
Queria acabar com o grilo
Mas o espertinho fugiu...


E bem longe ele voltou
A sua chata cantoria
Adeus o sono do gato
Que sentado esperava
Enquanto o dia raiva...


Ai sim ele poderia dormir
Tranquilo sem ser abusado
Pois grilo dorme no dia
A noite faz sua cantoria...


Mas o gato estava decidido
Se aquele grilo ele pegar
Tenho pena do coitadinho
Vai lhe fazer picadinho.

O grilo desconfiado
Sai apressado pela rua
Feliz ficou cantando pra lua

Q

Pula daqui canta dali
Atrapalhando o gato
Que dormia no quarto...

E foi àquela confusão O gato ficou irado
O que achou destruiu
Queria acabar com o grilo
Mas o espertinho fugiu...

E bem longe ele voltou
A sua chata cantoria
Adeus o sono do gato
Que sentado esperava
Enquanto o dia raiva...

Ai sim ele poderia dormir
Tranquilo sem ser abusado
Pois grilo dorme no dia
A noite faz sua cantoria...

Mas o gato estava decidido
Se aquele grilo ele pegar
Tenho pena do coitadinho
Vai lhe fazer picadinho.


O grilo desconfiado
Sai apressado pela rua
Feliz ficou cantando pra lua
Que de lá do alto dizia:
Ou grilo atrapalhado...

autoria- Irá Rodrigues

ABELHINHA....ABELHINHA






Arteira como ela é
Antes de o dia acordar
Abelhinha quer brincar...

...
Bate na porta da vizinha
Bem ligeiro sai de lá
Borboleta querendo voar
Beija-flor bem zangado
Bocejando querendo dormir...

Casinha abre a porta
Coelhinhos felpudos
Com caras de sapeca
Colhem cenouras
Comem, comem ficam estufados..

Dentões afiados
Deitam nas sombras
Dormem relaxados...

É hora de levantar
Espreguiça a abelhinha
Estava tão sonolenta
Esperando o coelho acordar...



Autoria- Irá Rodrigues

LEVEZA


Saltitam na areia as andorinhas
Num bailado de canelas finas
Bailam como fossem ninfas...
Na leveza de graciosas mocinhas.

Em voos rasantes molham os pés
Sobem e descem molham o bico
Ariscas desenham no ar
Uma dança de encantar...



autoria- Irá Rodrigues

AS LETRINHAS

A imagem pode conter: texto

QUE BOM SERIA...






Se tivéssemos tempo
De brincar e correr
Subir na mangueira
Chupar fruta no pé
Pular amarelinha
Jogar bola e peão,
Voltar a ser criança
Correr até o riacho
Nadar até ficar cansado.
Queria nunca ficar adulta
É só cobrança e reclamação
Pois adulto é muito chato
Falta tempo- só vive estressado...


  Irá Rodrigues




DIA DOS PAIS

PAI! Todos os dias é o teu dia Mas tem o seu especial Agosto é o teu mês Vou te falar outra vez; Enf...