quinta-feira, 29 de setembro de 2016

A FLORESTA DAS LETRAS



Esbarrei nas flores
Colhi pétalas
Formei letrinhas
Catei folhas secas
Criei palavras
Derramei as letras no chão
Eram tantas esparramadas
Tentei juntar não consegui
Letras quando se esparramam
É difícil de juntar
Parecem crianças arteiras
Correndo e sorrindo escorregadia
Se uma desliza
A outra escorrega
No meio da confusão
Surge o vento como moleque
Rodopiou, juntou tudo.
Saiu correndo e sumiu
Fiquei encantada
A cada letra arrumada
A cada frase formada
Colhi tudo com carinho
E no meu velho caderninho
Colei os pedacinhos
Nossa!
Com pouca imaginação
Arrumei frase por frase
No final sorri
Ali estava o mais lindo poema
Que da floresta escrevi...


 

CRIANÇA

Criança
Tem direito
De explorar livros
Sentar em cima
Morder na capa
Escutar história
Sentada no sofá
Deitada na cama
No lugar que desejar
Largada no chão
Até o peniquinho
Vira diversão....

Irá Rodrigues
iraazevedo.blogspot.com

ANINHA E O PASSARINHO AVENTUREIRO




Todos se apaixonava
Pela doçura da criança
Aninha era a lembrança
Da verdadeira esperança...

Com suas longas tranças
Aninha corria livre
Seguida por um passarinho
Voando pelo caminho...


Aninha cantava e encantava
A quem dela se aproximava
Com esse sorriso meigo
Todo mundo dela gostava...


O tempo passou depressa
Aninha virou uma mocinha
Mas não perdeu a ternura
Continua uma criança
Com brilho de esperança...


Apenas o passarinho ela resolveu soltar
Cansou-se de tentar ser amiga de quem só queria voar
Assim ele poderia em outro mundo morar
E ser feliz por quem resolvesse se apaixonar... 



 

Irá Rodrigues

O SABIÁ


Era uma vez uma pequenina sabiá
Cansada de ficar sozinha
Chorava em sua casinha
Sem poder ver o sol raiar...


Passava as noites acordada
Prisioneira em sua gaiola
Sem conhecer o mundo lá fora
Cantava, cantava desanimada...

Sozinha chorava com medo
Do enorme gato guloso
Que deitava ali e ficava de olho
Querendo desvendar seu segredo...

Que maldade fizeram comigo
Pensava a pobrezinha do sabiá,
Como viveria sem aprender a voar
Obrigada a tamanho castigo...

Não sabia por que tanta maldade
Se passarinho era livre para voar
Por que foram lhe aprisionar
Só queria a sua liberdade...

Sair pelos campos entre flores
Flutuar no ar em seu bailado
Ver de perto aquele mundo encantado
Pincelado de tantas cores...

Não perderia a esperança
Um dia o bem tocaria no coração
Seria com certeza solta na imensidão
Seria livre como uma criança...

Irá Rodrigues
iraazevedo.blogspot.com

RÃZINHA DE LUZ


Na casa queria morar
E toda vez que chegava
Na rua lhe jogava
Mas ela sempre voltava...


Um dia a rã resolveu
Ser luz iluminar
Assim iriam gostar
Vendo sua luzinha piscar...


E virou animação
Chegava á noite
E gente começava a chegar
Para ver a rãzinha piscar...


E assim ficou conhecida
A rãzinha de luz
De dia dormia
Á noite sua luz se acendia...


Ninguém mais queria se livrar
Da rãzinha iluminada
E virou animação
Um bichinho de estimação...


Irá Rodrigues iraazevedo.blogspot.com

DONA GANSA VAI AO PARQUE


Era dia de festa na praça
A gansa coitada
Foi subir no balanço
Escorregou caiu no banco...


Foi uma folia
Todos deram gargalhadas
Quem iria ter pena
De uma gansa pequena...


Dona gansa era sozinha
Nem namorado tinha
Enfeitava-se se perfumava
Mas ninguém lhe olhava...


E dona gansa coitada
Fica a espera na janela
De arranjar um marido
E deixar de ser donzela..


Restou a pobre da gansa
Num canto se sentar
Um noivo não iria encontrar
Melhor perder a esperança....



Irá Rodrigues

DONA MINHOCA


Depois da chuvarada
Saiu na praça
Não vestiu a capa
Ficou encharcada...

Tremeu de frio
Na rua fazia buraco
Queria cavar
Mas era asfalto...

E a pobre da minhoca
Ficou machucada
De tanta escavada...

Já meio tontinha
Resolveu dormir
Agasalhou-se
Apressadinha...

Enfiou-se
Embaixo do lixo
Ficou a coitadinha
Num canto da pracinha...

O lixeiro sem saber
Recolheu tudo
A pobre da minhoca
Dormindo a roncar
Sem saber onde irá parar...

Irá Rodrigues

DANÇA NA HORTA




Uma a uma elas desfilam
No meio da noite um alvoroço
Na manhã ficam quietinhas
Meninas assentadinhas...

E começa a beterraba
Toda vestida de roxo
Laçarote vermelho
Preso no cabelo...

E vem o repolho
Saia de babado
Sandália de salto
Cabelo trançado...

O tomate envergonhado
Chega todo vermelho
De boca carnuda
Olhar profundo
Se olhando no espelho...

E logo vem a moçada
Agitando a garotada
Cenoura toda loira
E o nabo todo atrapalhado...

O quiabo
Magrelo
Chega correndo
Nem calça o chinelo...

O pimentão coitado
Traz na mão uma flor
Dizendo ser mais bonito
E que é o vencedor...

ERA CONVERSA DE INSETOS





  A borboleta arteira
Voa livre pelo ar
Pode até na nuvem tocar
Se for assim bem ligeira...

E a abelhinha bailarina
Voa quase chega ao céu
Com sua flor no chapéu
A colmeia se anima...

O pernilongo cantor
Entra pela janela
Nem percebe a porta aberta
Quer logo fazer terror...



Autoria- Irá Rodrigues

NA TERRA DO FAZ DE CONTA




Tem encanto e tem magia
Tem duendes e fadas
Tem noite virando dia
Tem bruxinha atrapalhada
Tem o canto da cotovia...


E lá nessa terra do faz de conta
Tem coelhinho de cartola
Tem criança brincando
Macaco tocando viola
Cigarra e passarinho cantando...


E nessa terra encantada
Tem historinha inventada
Tem chuvisco no telhado
E um gato atrapalhado...


Tem branca de neve e sete anões
Lagarta se encantando
Borboletas do casulo voando...


Tem arco-íris brincando no lago
Trazendo o encanto das cores
Tem cheirinho de chocolate
E criança querendo um afago..

A HISTÓRIA DE UM LIVRO


Eu sou um lindo livro
Trago lindas histórias
Encanto as crianças
Sou um conto engraçado
Mas vivo triste e calado...


Fico feliz quando me pegam
Folheiam amassam
Até se sentam por cima
Isso me anima...


E quando comigo viajam
Nas historinhas contadas
Por dentro fico sorrindo
E juntos vamos seguindo...


Sou aluno amigo e professor
Faço a criança voar feito passarinho
Mas se me maltratam
Fico tão tristinho...


Autoria- Irá Rodrigues

DIA DE FESTANÇA


Era casamento do rato
O gato tocava tambor
O cachorro violão
Até o macaco era o animador...

Papagaio era o cantor
Embolava nada entendia
Corre lá dona cigarra
Salva essa cantoria...

E assim a bicharada
Estava toda animada
O galo tocava viola
Convidando as galinhas
Para fazerem as dancinhas...

O peru bebeu tanto
Que estava meio tonto
A perua sua namorada
Estava mesmo envergonhada...

E a festa foi invadida
Pela turma lá do lago
O jacaré se exibindo
Foi logo beber um trago...

O sapo gritou assombrado
Se o jacaré embebedar
Vai querer se vingar
De quem sua namorada dançar...

E com medo da cara feia
Que o jacaré fazia
Resolveram expulsar
Jogaram pimenta no bicho
Ele tratou de se mandar...




GOTINHAS DE ESTRELAS






Estrelas são pingos de luz
Surgem como meninas
Faz charme se exibe
Anoitece e logo aparecem
Enfeitam o negro da noite...
Parecem pinguinhos sorridentes
Esbanjam
Fazem estripulia
Roubam a cena
Até o raiar do dia...
É estrela cadente
Ou as três Marias
Cada uma representa
O tempo de nostalgia...
Nasce no romper da noite
Encanta nas madrugadas
Faz a menina sonhar
Inspira poetas
Deixa melodias no ar...
Aquece corações
Atende até pedidos
Quem pensa que ela é
O amor que partiu
Que para o céu se foi
Virou estrela
Que canta baixinho
Ilumina a vida
Ou é menina dengosa
Ou sua estrela guia...


segunda-feira, 5 de setembro de 2016

A HISTÓRIA DE UM LIVRO



ERA CONVERSA DE INSETOS

 

A  borboleta arteira
Voa livre pelo ar
Pode até na nuvem tocar
Se for assim bem ligeira...

E a abelhinha bailarina
Voa quase chega ao céu
Com sua flor no chapéu
A colmeia se anima...

O pernilongo cantor
Entra pela janela
Nem percebe a porta aberta
Quer logo fazer terror...

Autoria- Irá Rodrigues

ERA CONVERSA DE INSETOS




  A borboleta arteira
Voa livre pelo ar
Pode até na nuvem tocar
Se for assim bem ligeira...

E a abelhinha bailarina
Voa quase chega ao céu
Com sua flor no chapéu
A colmeia se anima...

O pernilongo cantor
Entra pela janela
Nem percebe a porta aberta
Quer logo fazer terror...




Autoria- Irá Rodrigues

A PRIMAVERA...


O LIVRO...


TARTARUGA





Velha enrugada
Acha-se mocinha
E se alguém duvidar
Causa-lhe uma briga
Daquelas de acabar...

Irá Rodrigues

CENTOPEIA






Resolveu fazer compras
Foi logo a sapataria
Eram tantos sapatos para calçar
E cadarços para amarrar...


Irá Rodrigues
iraazevedo.blogspot.com


O PATINHO DIFERENTE

O patinho azul era muito solitário, por ter a cor diferente vivia sozinho e excluído por todos da sua família. O patinho azul nas...